quinta-feira, 10 de junho de 2010

A volta de Ferdinando


Passeando pela loja virtual da Bud's Art Books, onde eles vendem o peixe por que adoram o peixe, e não pelo valor dele, nos demos conta do quanto a IDW tem lançado republicações fantásticas, quase sem repercussão (muito mais fácil divulgar releases sobre starlets em gibis, não?.

É o caso de Li'l Abner ou, Ferdinando, como ficou conhecido no Brasil, o clássico maior de Al Capp (ou Alfred Gerald Caplin) desde o início da série, em 1934.

O verbete na Wikipedia até está bem bom (1) mas cabe adicionar:

Nos ensina o mestre Ionaldo Cavalcanti (no livro 'O Mundo dos Quadrinhos'), que Ferdinando é um cidadão muito respeitador das leis do seu país, um contorno importante a ser sublinhado. É por esse motivo que os personagens centrais se recusam a se fartar com os Shmoos, os perfeitos amigos do ser humano. Essa seria apenas 'uma outra estória' não fosse o fato de Al Capp ter sido o primeiro quadrinhista a ser indicado ao Nobel (quando o prémio era sério). E Foi por ninguém menos que John Steinbeck, em 1948. 17 anos, portanto, antes do marco que foi o festival de Bordighera (http://www.mundohq.com.br/site/detalhes.php?tipo=5&id=8) rumo aos quadrinhos como obra autoral plena.

O tomo da IDW vem como merece, formato de álbum, capa dura e 288 páginas.
O preço real está por volta de $31.50 dólares. E ainda há muito por vir, pois Li'l Abner 'viveu' por 43 anos.
Como podem ver na capa da noto, do volume 3 desta série, não só pela mão de Al Capp.

Pra quem lê em castelhano, mais que recomendamos o artigo publicado na fabulosa
Historia de los Comics," desse gigante que foi Josep Toutain (http://dreamers.com/maestrosdelcomic/html/biografia1.html)

Texto de Marko Ajdaric

1) link 1 http://pt.wikipedia.org/wiki/Ferdinando_(Banda_desenhada),
2) link 2 http://pt.wikipedia.org/wiki/Ferdinando_(Banda_desenhada),

Um comentário: